Blog do PVC

Lopetegui entra num grupo seleto de técnicos que saíram em plena Copa

PVC

Julen Lopetegui entrou na sala de entrevistas coletivas com os jornais espanhois divulgando que os jogadores conseguiam segurá-lo no cargo. Mas a fúria do presidente da Real Federação Espanhola de Futebol, Luis Rubiales, foi maior. Rubiales assumiu a presidência da Federação em maio, substituto de Angel Maria Vilar, acusado de corrupção, preso em julho, solto em agosto e destituído em dezembro.

Demitir Lopetegui é uma maneira de Rubiales mostrar força. Na noite de terça-feira, sua primeira declaração foi de que tomaria a melhor decisão para a seleção espanhola. Não parece. Melhor cenário seria ser diplomático, engolir em seco e nunca mais olhar na cara de Lopetegui, mas só depois da Copa do Mundo.

Razão para se sentir traído, Rubiales tem. Cabia a Lopetegui avisar o que estava se passado, como avisou ao capitão Sergio Ramos. Poderia perfeitamente ser técnico da Espanha e depois assumir o Real Madrid, mas o processo deveria ser claro para que ninguém se sentisse passado para trás. Carlos Alberto Parreira avisou, durante o Mundial de 1994, que assumiria o Valencia depois da final. Todo mundo sabia. Foi campeão mesmo assim.

O diário MARCA publica as mensagens enviadas por Rubiales para o Real Madrid: ''Se alguém quer engatilhar uma relação com um trabalhador da Federação tem que falar com o trabalhador, mas também com a Federação. A seleção é o mais importante que temos e um Mundial é o compromisso máximo.'' ''O Real Madrid busca um técnico, o melhor. É lícito. Não tenho por que julgar ao Real Madrid. Mas não se podem fazer assim as coisas e menos ainda a cinco minutos antes do anúncio. Nos vemos obrigados a tomar a decisão, porque a seleção é a equipe de todos os espanhois. Ter os melhores é importante, mas como se faz as coisas é mais ainda. Ganhar é muito importante, mas a forma de trabalhar é mais ainda.''

Lopetegui deixa a seleção espanhola após vinte jogos, 14 vitórias, 6 empates e gols marcados em todos os vinte compromissos. Embora tenha deixado o cargo a 48 horas da estreia, dá para juntá-lo a dois outros casos incríveis. Carlos Alberto Parreira foi demitido pela seleção da Arábia Saudita após duas derrotas na Copa de 1998 e antes do terceiro jogo. Andy Beattie pediu demissão da seleção da Escócia depois de perder por 1 x 0 para a Áustria. Depois da saída do treinador a Escócia piorou e levou 7 x 0 do Uruguai.