PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

A maldição do campeão

PVC

27/06/2018 14h18

Pela terceira vez consecutiva, o campeão do mundo é eliminado na fase de grupos. Antes, era quase impensável que isto ocorresse. Só o Brasil de 1966 e de 2006 defendia o título e foi desclassificado depois do terceiro jogo. A partir de 2002, a maldição se abateu sobre o campeão do último torneio. A França levantou a taça em 1998 e foi eliminada cedo em 2002. A Itália venceu em 2006 e caiu na primeira fase em 2010, em uma chave fácil, contra Paraguai, Eslováquia e Nova Zelândia. Campeã em 2010, a Espanha ficou fora em 2014 contra Holanda e Chile, jogando também contra a Austrália. A Alemanha, vencedora da última Copa, poderia ser primeira colocada de seu grupo se fizesse um gol contra a Coreia do Sul, enquanto a Suécia ganhava do México. Diferente disso, sofreu dois gols, de Gwon e Son.

É o maior vexame da história da Alemanha em Copas do Mundo. Só comparável com as desclassificações em fases de grupos da Eurocopa de 1984, 2000 e 2004. Nos últimos quatro anos, os alemães foram tratados como símbolo de como o trabalho faz renascer uma grande escola de futebol. A demonstração da Copa de 2018 não é essa. Em 2014, os alemães já haviam empatado com Gana e Argélia, vencendo os argelinos apenas na prorrogação. A demonstração é de que a elite do futebol está estreita demais. Os campeões do mundo terminam em quarto lugar em sua chave.

Há dois anos, a Suécia foi última colocada da chave da Itália na Eurocopa. A Itália liderou, com a Bélgica em segundo e a República da Irlanda em terceiro. De lá para cá, a Suécia transformou-se na equipe que mais derruba favoritos no planeta. Eliminou a Holanda na fase de grupos das eliminatórias, tirou a Itália na repescagem e agora elimina a Alemanha na primeira fase.

Nunca desclassificada antes na fase de grupos, a Alemanha tinha apenas um vexame em primeira fase. Em 1938, caiu no primeiro jogo, mata-mata, por 4 x 2 contra a Suíça.

Quarta-feira, 27/junho/2018
COREIA DO SUL 2 x 0 ALEMANHA – 11h, 17h

Local: Arena Kazan (Kazan); Juiz: Mark Geiger (Estados Unidos); Público: 41.832; Gol: Gwon 47, Son 49 do 2º; Cartão amarelo: Son, Lee
COREIA DO SUL (4-4-2): ): 23. Joo (7,5), 2. Lee Yong (6), 5. Yun (6), 19. Gwon (6,5) e 14. Hong (6,5); 17. Lee (5,5), 18. Moon (4) (8. Ju 24 do 2º (6)), 16. Ki (6), 20. Jang e 13. Koo (6,5); 13. Koo (5) (11. Hwang 11 do 2º (sem nota)) (22. Ko 34 do 2º (sem nota)) e 7. Son (5). Técnico: Shin Taeyong
ALEMANHA (4-2-3-1): 1. Neuer (5), 18. Kimmich (5,5), 15. Sule (5), 5. Hummels (6) e 3. Hector (6) (20. Brandt 33 do 2º (5)); 8. Kroos (6,5) e 6. Khedira (5,5) (23. Mario Gomez 13 do 2º (5,5)); 14. Goretzka (6) (13. Thomas Muller 18 do 2º (5)), 10. Ozil (5) e 11. Reus (6); 9. Timo Werner (5,5). Técnico: Joachim Löw
Posse de bola – 30 x 70% – Finalizações – 11 x 26
Homem do jogo Fifa – Woo
Homem do jogo PVC – Woo

MÉXICO 0 x 3 SUÉCIA – 11h, 17h
Local: Central Stadium (Ekaterimburgo); Juiz: Nestor Pitana (Argentina); Gols: Augustinsson 5, Granqvist (pênalti) 17, Álvarez (contra) 29 do 2º; Cartão amarelo: Héctor Moreno, Layún, Gallardo, Sebastian Larsson
MÉXICO (4-2-3-1): 13. Ochoa (6,5), 21. Edson Alvarez (4), 3. Salcedo (5), 15. Hector Moreno (6) e 23. Gallardo (5,5) (8. Fabián 20 do 2º 20 do 2º (5)); 18. Guardado (5) (17. Jesús Corona 30 do 2º (sem nota)) e 16. Herrera (6,5); 7. Layún (4) (19. Peralta 44 do 2º (sem nota)), 11. Vela (5) e 22. Lozano (5); 14. Chicharito Hernández (4). Técnico: Juan Carlos Osório
SUÉCIA (4-4-2): 1. Olsen (6,5), 2. Lustig (6), 3. Lindelof (6,5), 4. Granqvist (6,5) e 6. Augustinsson (7); 17. Claeson (6), 7. Sebastian Larsson (6,5) (13. Svensson 12 do 2º (6,5)), 8. Ekdal (7) (15. Hiljemark 35 do 2º (sem nota)) e 10. Forsberg (7); 9. Berg (6,5) (22. Thelin 23 do 2º (6)) e 20. Toivonen (6). Técnico: Janne Andersson
Posse de bola – 65% x 35% – Finalizações – 19 x 13
Homem do jogo Fifa – Augustinsson
Homem do jogo PVC – Forsberg

CLASSIFICAÇÃO
. 1 Suécia 6 3 2 0 1 5 2
. 2 México 6 3 2 0 1 3 4
. 3 Coreia do Sul 3 3 1 0 2 3 3
. 4 Alemanha 3 3 1 0 2 2 4

Sobre o Autor

Paulo Vinicius Coelho é jornalista esportivo, blogueiro do UOL, colunista da Folha de S. Paulo. Cobriu seis Copas do Mundo (1994, 1998, 2006, 2010, 2014 e 2018) e oito finais de Champions League, in loco. Nasceu em São Paulo, vive no Rio de Janeiro e seu objetivo é olhar para o mundo. Falar de futebol de todos os ângulos: tático, técnico, físico, econômico e político, em qualquer canto do planeta. Especializado em futebol do mundo.

Sobre o Blog

O blog tem por objetivo analisar o futebol brasileiro e internacional em todos os seus aspectos (técnico, tático, político e econômico), sempre na tentativa de oferecer uma visão moderna e notícias em primeira mão.

Blog do PVC