Topo
Blog do PVC

Blog do PVC

Categorias

Histórico

Maracanã vazio não é culpa da torcida

PVC

2009-10-20T18:11:15

09/10/2018 11h15

Na vitória por 4 x 0 sobre o Paraná, o Fluminense jogou pela sétima vez no Maracanã, pelo Brasileirão, para menos de 10 mil torcedores. Foi também a segunda vez que apresentou, diante de sua torcida, a camisa com o logotipo do DNA Tricolor, o novo programa de relacionamento do clube. Há mais de 80 mil cadastrados, mas boa parte da segue afirmando que o plano de sócios não dá benefícios suficientes. E pouca vantagem para quem quer acesso aos ingressos.

O Flu tem a 13a média de público do ano, atrás de Fortaleza, na Série B, e Ceará. À frente de Santos e Botafogo, mas turbinado pela bilheteria do Fla-Flu, a maior do país em 2018 (59.987 pagantes).

Não está bom jogar contra Corinthians, Grêmio e Paraná Clube para menos de oito mil testemunhas.

Principalmente, porque o nível de presença nos estádios do Brasil melhorou. Os 18 mil torcedores por jogo do campeonato continuam sendo ridículos, mas representam a maior média do Brasileirão desde 1987. O Flamengo tem 46 mil espectadores por partida. O Fluminense, 15 mil.

Não é culpa da torcida. Não dá para usar o chavão "o torcedor tem de apoiar."

O clube é quem vende o ingresso e tem de provocar o interesse no comprador. Não o inverso. Os planos de sócios torcedores trouxeram alguns benefícios a quem soube usá-los. Campeão brasileiro de 2005, com Tévez e Nilmar, o Corinthians levava 27 mil pagantes por partida. Em décimo primeiro lugar na tabela de 2018, o índice agora é de 28.600. O Palmeiras foi campeão brasileiro de 1994 com 14 mil no Parque Antarctica. Hoje tem 30 mil. Uma das receitas foi priorizar a venda de ingressos a quem comparece mais. Quem quer ver Palmeiras x Boca Juniors vai pagar preço justo e ter acesso ao bilhete com tranquilidade, pela internet, se tiver mais de 80% de presença no Allianz Parque.

No caso do Fluminense, o discurso surrado. Dirigentes afirmam que o Rio é diferente, porque a praia concorre com o futebol. Em Belo Horizonte, não tem mar, mas tem bar. Em São Paulo, você preferir ir ao cinema. Tudo concorre com o futebol. Mesmo assim, timidamente, a média de público melhora no Brasileirão.

Para o Fluminense e para o Botafogo, não.

A culpa não é de quem compra o ingresso. É de quem não tem estratégia para vender. O Fluminense tem torcida suficiente para encher as arquibancadas do Maracanã.

Sobre o Autor

Paulo Vinicius Coelho é colunista da Folha de S. Paulo, comentarista da Fox e blogueiro do UOL. Jornalista desde os 18 anos, descobriu ao completar 36 que já tinha mais tempo de jornalismo do que de sonho. Ou seja, mais anos no exercício da profissão do que tinha de idade quando publicou sua primeira matéria. Trabalhou na revista Placar, diário Lance!, ESPN Brasil, cobriu as Copas de 1994, 1998, 2006, 2010 e 2014, esteve em sete finais de Champions League.

Sobre o Blog

O blog tem por objetivo analisar o futebol brasileiro e internacional em todos os seus aspectos (técnico, tático, político e econômico), sempre na tentativa de oferecer uma visão moderna e notícias em primeira mão.

Mais Blog do PVC