PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Red Bull Bragantino fecha com Artur e pretende mudar mercado no Brasil

PVC

03/01/2020 04h00

A transferência do atacante Artur, do Palmeiras para o Red Bull Bragantino, deve ser oficializada nos próximos dias.

A minuta do contrato está sendo finalizada. Falta assinar, mas Artur será do Red Bull durante o Campeonato Paulista e Brasileiro.

Imaginar que o reforço tenha um passo por Bragança Paulista, para depois se mudar para outro time da empresa, na Áustria, Alemanha ou Estados Unidos, é um erro.

A ideia é contratar do ponto de vista técnico.

A conta feita pelos executivos da Red Bull é simples. Quando se busca um jogador consagrado no Brasil, mesmo sem contrato, e se paga perto de R$ 1 milhão por mês, esse acordo pode custar até R$ 40 milhões por três anos. São os 36 meses a R$ 1 milhão mais luvas.

Ao contratar um jogador como Artur, de 21 anos, é possível adaptá-lo ao modelo de jogo que se pretende, e o salário não passa de R$ 150 mil. Ou seja, os R$ 27 milhões da compra vão se juntar a mais R$ 4 milhões por três anos de contrato.

A comparação sai perto de R$ 10 milhões mais barata.

Claro que tudo depende de o negócio dar certo.

Outro aspecto em que a operação do Red Bull Bragantino se baseia, e se inspira no que faz o Leipzig na Alemanha, é mudar o parâmetro dos negócios do mercado doméstico. O entendimento é que o Brasil sempre vendeu jogadores mais baratos para a Europa do que faz a Argentina, porque os argentinos têm um mercado de negociações interno mais forte do que o brasileiro.

Quando um time europeu tenta contratar um jogador no River Plate, sabe que precisa pagar mais caro, ou outro gigante local tentará atravessar a negociação.

A ideia do Bragantino é aumentar o nível de competição nas contratações internas. Daí pagar perto de R$ 27 milhões por Artur, do Palmeiras. Mais ou menos assim aconteceu na Alemanha. O Leipzig contrata jogadores jovens, forma-os dentro de sua filosofia de jogo e não os negocia. O Borussia Dortmund perdeu Gotze e Lewandowski para o Bayern. O Leipzig mantém Timo Werner, hoje com 23 anos e titular da seleção alemã.

A receita é semelhante à que levou o Bragantino ao título paulista e vice brasileiro entre 1990 e 1991. Naquela época, o Bragantino contratou jogadores promissores, como João Santos, Sílvio e Franklin, do Fluminense, ou Mauro Silva, do Guarani. Diferentemente da situação atual, não pagava caro.

Mas mudou, por um tempo, o padrão de formação de equipes fortes no Brasil dos anos 1990.

Sobre o Autor

Paulo Vinicius Coelho é jornalista esportivo, blogueiro do UOL, colunista da Folha de S. Paulo. Cobriu seis Copas do Mundo (1994, 1998, 2006, 2010, 2014 e 2018) e oito finais de Champions League, in loco. Nasceu em São Paulo, vive no Rio de Janeiro e seu objetivo é olhar para o mundo. Falar de futebol de todos os ângulos: tático, técnico, físico, econômico e político, em qualquer canto do planeta. Especializado em futebol do mundo.

Sobre o Blog

O blog tem por objetivo analisar o futebol brasileiro e internacional em todos os seus aspectos (técnico, tático, político e econômico), sempre na tentativa de oferecer uma visão moderna e notícias em primeira mão.

Blog do PVC