Blog do PVC

Corinthians será o campeão com mais rodadas na liderança
Comentários 16

PVC

O Corinthians está próximo de ser o maior campeão dos pontos corridos, desde que o campeonato passou a ser disputado em 38 rodadas, em 2006. Não em número de pontos, recorde que pertence ao time de Tite, em 2015, com 81 pontos — Carille chegará no máximo aos 80.

Mas em número de rodadas na liderança, nenhum time iguala o Corinthians de 2017.

O recorde até hoje pertence ao Cruzeiro de 2014, líder a partir da 6a rodada. O Corinthians assumiu a ponta na quinta rodada e não perdeu mais a primeira colocação.

O Brasileirão de 2017 teve quatro líderes apenas. O Bahia na primeira rodada, o Grêmio na segunda, Chapecoense na terceira e quarta rodadas, e o Corinthians.

Até hoje, o único campeonato com apenas quatro líderes em 38 rodadas foi o de 2010, vencido pelo Fluminense. Mas naquela temporada, a liderança se alternou entre Fluminense, Cruzeiro e Corinthians, antes do título.

Abaixo, veja quantas rodadas cada campeão liderou:

2006 – São Paulo – 27 rodadas (houve 5 líderes)

2007 – São Paulo – 21 rodadas (houve 5 líderes)

2008 – São Paulo – 6 rodadas (houve 6 líderes)

2009 – Flamengo – 2 rodadas (houve 6 líderes)

2010 – Fluminense – 24 rodadas (houve 4 líderes)

2011 – Corinthians – 30 rodadas (houve 6 líderes)

2012 – Fluminense – 18 rodadas (houve 5 líderes)

2013 – Cruzeiro – 29 rodadas (houve 5 lídres)

2014 – Cruzeiro – 33 rodadas (houve 5 líderes)

2015 – Corinthians – 21 rodadas (houve 5 líderes)

2016 – Palmeiras – 29 rodadas (houve 6 líderes)

2017 – Corinthians – 34 rodadas (houve 4 líderes) *

*Se confirmar o título.

 


Palmeiras vence Flamengo de Rueda com estilo Zé Ricardo
Comentários 14

PVC

O Flamengo teve mais posse de bola, como é praxe.

Mas foi vítima de duas jogadas rápidas do Palmeiras, lançamento perfeito de Moisés para Deyverson, que aproveitou a falha de Rafael Vaz. Palmeiras 1 x 0.

Depois, bola recuperada no campo de ataque, Keno chutou na trave e Deyverson fez, no rebote.

Então, Rueda tirou Cuellar e colocou Vinicius Júnior. Em síntese, fez o que Zé Ricardo tentou contra o Vitória, no jogo de sua demissão. Lembra? William Arão como único volante, uma linha de quatro homens com Geuvânio, Éverton Ribeiro, Diego e Éverton. Pois Rueda deixou William Arão como primeiro cabeça-de-área, com Vinícius Júnior, Éverton Ribeiro, Lucas Paquetá e Éverton na linha de quatro à sua frente.

Como não deu certo contra o Vitória, não deu certo contra o Palmeiras. Houve mais chances de o Palmeiras fazer 3 x 0, do que de o Flamengo empatar o jogo.

Desde 2010, o Flamengo não vence o Palmeiras em São Paulo.

O time de Alberto Valentim está quase na Libertadores, fase de grupos.

E não é pelo estúpido protesto da torcida uniformizada, que perdeu o foco. Se o Palmeiras não ganhou nenhum título neste ano, não foi por falta de vontade dos jogadores. Foi pelas trocas seguidas de técnicos e de estilos de jogo durante o ano.

 


A Fórmula 1 e o Brasil
Comentários 5

PVC

Bernie Ecclestone disse à Folha que o Brasil precisa de um Putin.

Digamos a ele que não se meta…

Mas quando Lewis Hamilton afirma que todo ano acontecem assaltos em Interlagos e que ouviu tiros durante o assalto do qual seus amigos mecânicos da Mercedes foram vítimas, é grave.

A zona sul de São Paulo cada vez mais se parece com a zona norte do Rio. Sempre se pareceu. À medida em que a violência cresce no Rio, também cresce e São Paulo, porque o problema é do Brasil.

E isto aparece, porque Interlagos está na zona sul de São Paulo, distante do centro, das atenções da prefeitura. Se você para no sinal pode ser assaltado.

A Fórmula 1 exportou o nosso problema para o mundo inteiro, pelo twitter de Lewis Hamilton. Expôs o problema da Zona Sul.

Quando se fala em zona sul no Brasil, pensa-se em Copacabana, Ipanema e Leblon.

Em São Paulo, é Morumbi e Paraisópolis. É Ipiranga e Cambuci. É Interlagos e Capão Redondo.

O mapa da cidade é a cabeça do cachorro e a zona sul é o pescoço. Mora-se bem, mora-se mal… Outro dia, houve arrastão na ponte Morumbi. Bem ao lado da rede Globo.

Não é um problema de São Paulo. É um problema do Brasil.

E a Fórmula 1 exporta isto para o mundo. São Paulo hoje é a cidade de mais turismo no país, por causa dos negócios. Quando se vem ao Brasil, há palestras para dizer como evitar assaltos.

O Brasil não é isto.

 


Internacional desaponta
Comentários 4

PVC

Foram 33 mil torcedores sedentos primeiro pela informação de que Leandro Damião jogaria.

Porque, incrivelmente, sem Damião, o Inter não vence.

E com ele em campo, não venceu.

Cláudio Winck fez 1 x 0 no primeiro tempo, numa bola cruzada depois de cobrança de falta.

Parecia ser um massacre.

E, se fosse, mesmo com toda a pressão sobre Guto Ferreira, ele teria -tudo para ser o técnico em 2018. Foi demitido.

Mas veio o empate do Vila Nova. E o jogo do acesso terminou com o Inter vice-líder, porque o América vencia o Figueirense no intervalo do jogo, e com vaias, que pressionam Guto Ferreira.

O Internacional vai subir.

Não é este o problema.

A questão é ter cabeça no lugar para montar um time forte para o ano do acesso.


A Ventura d’Italia
Comentários 2

PVC

Gianluigi Buffon avisou em entrevista ao jornal La Gazzetta dello Sport, semana passada, que a Suécia faria tudo à perfeição. O time de Janne Andersson segue a cartilha do 4-4-2 de maneira disciplinada. Todo mundo sobe junto ao ataque, retorna junto à defesa. ''Se jogamos uma partida nota 6, perderemos. Se jogarmos 6,5, empatamos. Se disputarmos um jogo nota 7, vamos ganhar'', disse Buffon.

A Itália fez uma partida nota 6.

Nada imperfeito, mas sem brilho nem talento. Verratti, o jogador diferente do meio-de-campo, passou a bola burocraticamente. Ainda levou o cartão amarelo que o tira do jogo de volta, em Milão. O melhor da Itália foi Darmian, autor de um cruzamento perfeito para Bellotti cabecear no início da partida, rente à trave. Depois, de um chute na trave, quando o jogo já era vencido pelos suecos.

A Suécia também não fez nada genial. Tirando uma bola entre as pernas de Barzagli, o meia Forsberg, do Leipzig, o mais perfeito de seus jogadores perfeitos, não produziu quase nada. O centroavante Berg, ex-PSV, meteu-se em confusão com Chiellini minutos antes do gol de Johansson, meia do AEK Atenas, que substituiu Ekdal, do Hamburgo, durante o segundo tempo.

A Suécia fará outro jogo firme, sem brilho, em Milão. Grande chance de fazer um gol, o que obrigará a Itália a marcar três.  Mais um sinal do equilíbrio existente nos dias atuais entre as grandes seleções. A Itália é a 15a colocada no ranking da Fifa. A Suécia, 25a., já tirou a Holanda da Copa, vigésima colocada.

O pecado da Itália é confiar seu destino ao técnico Giampiero Ventura, que lançou a Azzurra numa viagem estranhamente comprada pela imprensa italiana, de cultura tática extremada, de dizer que seu time jogava num 4-2-4, porque usava dois pontas na linha de quatro homens do meio-de-campo, Candreva pela direita, Insigne pela esquerda.

Na hora de decidir, a Itália jogou num bom 3-5-2, estruturado, mas sem talento nem criação. Apostar em Ventura foi aventura.

Ganhar da Suécia e ir à Copa da Rússia não será fácil.

 

 

 

 


Informações e palpites da 34a rodada do Brasileirão
Comentários 4

PVC

BOTAFOGO x ATLÉTICO PARANAENSE

Sábado, Nílton Santos, 17h

BOTAFOGO – Problemas – Igor Rabello (terceiro cartão) – Time provável (4-4-2) – Gatito Fernández, Arnaldo, Carli, Marcelo e Victor Luís; Bruno Silva, Matheus Fernandes, Lindoso e Rodrigo Pimpão; Marcus Vinícius e Brenner. Técnico: Jair Ventura

Últimos cinco jogos – vdeve

ATLÉTICO PARANAENSE – Problemas – Gedoz (machucado, dúvida) – Time provável (4-2-3-1) – Wéverton, Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Fabrício; Pavez e Lucho González; Lucas Fernandes, Pablo e Nikão; Ribamar. Técnico: Fabiano Soares

Últimos cinco jogos – ddevv

CURIOSIDADE – O Atlético venceu em Volta Redonda em 2014, mas na cidade do Rio coleciona três derrotas e um empate desde 2009, quando venceu pela última vez.

PALPITE – Botafogo

ARBITRAGEM – Anderson Daronco (RS); Rafael da Silva Alves (RS), Elio Nepomuceno (RS)

CORINTHIANS x AVAÍ

Sábado, Itaquera, 19h

CORINTHIANS – Problemas – Jô (suspenso pelo STJD), Marquinhos Gabriel (machucado), Cássio (seleção brasileira), Wálter (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Caíque, Fágner, Balbuena, Pablo e Arana; Gabriel e Camacho; Romero, Rodriguinho e Clayson; Kazim. Técnico: Fábio Carille

Últimos cinco jogos – vvdde

AVAÍ – Problemas – Pedro Castro (terceiro cartão) – Time provável (4-2-3-1) – Douglas, Maicon, Alemão, Betão e João Paulo; Judson e Simião; Júnior Dutra, Marquinhos e Luanzinho; Rômulo. Técnico: Claudinei Oliveira

Últimos cinco jogos – ddeve

CURIOSIDADE – Pela Série A, em São Paulo, são duas vitórias do Corinthians e dois empates, o último na campanha do título corintiano de 2015.

PALPITE – Corinthians

ARBITRAGEM – Dewson Freitas (PA); Hélcio Araújo Neves (PA), José Ricardo Guimarães Coimbra (PA)

VASCO x SÃO PAULO

Domingo, São Januário, 17h

VASCO – Problemas – Wellington (terceiro cartão), Breno (emprestado pelo São Paulo), Martin Silva (seleção uruguaia), Anderson Martins (machucado), Ramon (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Jordi, Gilberto, Lucas Rocha, Paulão e Henrique; Jean e Evander; Yago Pikachu, Nenê e Paulinho; Luís Fabiano. Técnico: Zé Ricardo

Últimos cinco jogos – vede

SÃO PAULO – Problemas – Cueva (seleção peruana), Militão (machucado) – Time provável (4-1-4-1) – Sidão, Araruna, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Jucilei; Marcos Guilherme, Petros, Hernanes e Shaylon; Pratto. Técnico: Dorival Júnior

Últimos cinco jogos – vvvd

CURIOSIDADE – Desde 2005, o São Paulo visitou São Januário sete vezes. Venceu quatro e empatou três.

PALPITE – Empate

ARBITRAGEM – Leandro Vuaden (RS); José Eduardo Calza (RS), Maurício Coelho Penna (RS)

PALMEIRAS x FLAMENGO

Domingo, Allianz Parque, 17h

PALMEIRAS – Problemas – Mina (seleção colombiana), Borja (seleção colombiana) – Time provável (4-2-3-1) – Fernando Prass, Mayke, Edu Dracena, Juninho e Zé Roberto; Bruno Henrique e Tchê Tchê; Keno, Moisés e Dudu; Willian. Técnico: Alberto Valentim

Últimos cinco jogos – ddevv

FLAMENGO – Problemas – Trauco (seleção peruana), Guerrero (suspenso e na seleção peruana), Réver (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Diego Alves, Pará, Rhodolfo, Rafael Vaz e Renê; Cuellar e William Arão; Lucas Paquetá, Éverton Ribeiro e Éverton; Felipe Vizeu. Técnico: Reinaldo Rueda

Últimos cinco jogos – vdevd

CURIOSIDADE – Nos últimos cinco jogos em São Paulo, o Palmeiras não perdeu do Flamengo. São duas vitórias e três empates.

PALPITE – Palmeiras

ARBITRAGEM – Bráulio da Silva Machado (SC); Kléber Lúcio Gil (SC), Neuza Inês Back (SC)

GRÊMIO x VITÓRIA

Domingo, Caxias do Sul, 17h

GRÊMIO – Problemas – Barrios (machucado), Maicon (machucado), Marcelo Oliveira (poupado) – Time provável (4-2-3-1) – Marcelo Grohe, Edílson, Geromel, Kannemann e Cortez; Michel e Arthur; Ramiro, Luan e Fernandinho; Jael. Técnico: Renato Gaúcho

Últimos cinco jogos –  vvevd

VITÓRIA – Problemas – Yago (terceiro cartão), Uilliam Correia (expulso) – Time provável (4-1-4-1) – Fernando Miguel, Patric, Wallace, Kanu e Géferson; Ramon; Neílton, José Wellison, Fillippe Souto e David; Trellez. Técnico: Vágner Mancini

Últimos cinco jogos – vede

CURIOSIDADE – Na Arena do Grêmio, duas vitórias gremistas e uma do Vitória, ano passado por 2 x 1.

PALPITE – Grêmio

ARBITRAGEM – Marcelo José de Souza (SP); Anderson José de Moraes Coelho (SP), Bruno Salgado Rizo (SP)

ATLÉTICO GOIANIENSE x SPORT

Domingo, Olímpico, 17h

ATLÉTICO GOIANIENSE – Problemas – Luís Fernando (terceiro cartão), Paulinho (terceiro cartão) – Time provável (4-2-3-1) – Marcos, André Castro, Gilvan, William Alves e Breno Lopes; Marcão Silva e Igor; Andrigo, Jorginho e Niltinho; Diego Rosa. Técnico: João Paulo Sanches

Últimos cinco jogos – ddedd

SPORT – Problemas – Diego Souza (seleção brasileira), Henriquez (terceiro cartão), Durval (terceiro cartão), Mena (machucado), Éverton Felipe (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Magrão, Raul Prata, Ronaldo Alves, Neris e Sander; Rithelly e Patrick; Osvaldo, Wesley e Rogério; André. Técnico: Daniel Paulista

Últimos cinco jogos – deedd

CURIOSIDADE – Na história do Brasileirão, só um encontro em Goiânia, com vitória do Sport por 1 x 0, em 2012.

PALPITE – Atlético Goianiense

ARBITRAGEM – Luiz Flávio de Oliveira (SP); Danilo Ricardo Manis (SP); Miguel Cataneo (SP)

CRUZEIRO x FLUMINENSE

Domingo, Mineirão, 18h

CRUZEIRO – Problemas – Henrique (terceiro cartão), De Arrascaeta (seleção uruguaia), Dedé (machucado), Sassá (machucado), Raniel (machucado), Hudson (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Fábio, Ezequiel, Manoel, Murilo e Diogo Barbosa; Lucas Silva e Lucas Romero; Robinho, Thiago Neves e Alisson; Rafael Sóbis. Técnico: Mano Menezes

Últimos cinco jogos – dvedd

FLUMINENSE – Problemas – Henrique Dourado (terceiro cartão), Sornoza (terceiro cartão) – Time provável (4-2-3-1) – Diego Cavalieri, Lucas, Renato Chaves, Henrique e Marlon; Matheus Norton e Douglas; Scarpa, Wendel e Marcos Júnior; Pedro. Técnico: Abel Braga

Últimos cinco jogos – veedd

CURIOSIDADE – O Cruzeiro venceu quatro e empatou um dos últimos cinco encontros em Minas Gerais, desde a última vitória do Fluminense, em Uberlândia, 2011.

PALPITE – Cruzeiro

ARBITRAGEM – André Luiz de Freitas Castro (GO); Bruno Raphael Pires (GO), Leonel Carvalho Rocha (GO)

BAHIA x ATLÉTICO MINEIRO

Domingo, Fonte Nova, 18h

BAHIA – Problemas – Édson (machucado), Lucas Fonseca (machucado, dúvida) – Time provável (4-1-4-1) – Jean, Eduardo, Thiago, Thiago Martins e Juninho Capixaba; Renê Júnior; Zé Rafael, Allione, Juninho e Mendoza; Edigar Junio. Técnico: Paulo César Carpegiani

Últimos cinco jogos – vvevd

ATLÉTICO MINEIRO – Problemas – Leonardo Silva (terceiro cartão), Adílson (terceiro cartão), Fred (terceiro cartão) – Time provável (4-2-3-1) – Victor, Marcos Rocha, Felipe Santana, Gabriel e Fábio Santos; Roger Bernardo e Elias; Luan, Robinho e Valdivia; Rafael Moura. Técnico: Oswaldo de Oliveira

Últimos cinco jogos – vvedv

CURIOSIDADE – O Atlético não perde para o Bahia em Salvador desde 2002. Uma vitória e quatro empates.

PALPITE – Bahia

ARBITRAGEM – Raphael Claus (SP); Daniel Paulo Ziolli (SP), Tatiane Saciloti (SP)

CORITIBA x PONTE PRETA

Domingo, Couto Pereira, 19h

CORITIBA – Problemas – Rodrigo Ramos (machucado), Geovane (machucado), Neto Berola (machucado), Baumjohan (machucado), Walisson Maia (machucado), Iago (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Wilson, Léo, Werley, Cléber Reis e Carletto; Jonas e Alan Santos; Yan Sasse, Tiago Real e Rildo; Henrique Almeida. Técnico: Marcelo Oliveira

Últimos cinco jogos – evvev

PONTE PRETA – Problemas – Fernando Bob (expulso), Wendel (machucado) – Time provável (4-1-4-1) – Aranha, Nino Paraíba, Yago, Rodrigo e Jéferson; Naldo; Lucca, Jádson, Elson e Danilo Barcelos; Émerson Sheik. Técnico: Eduardo Baptista

Últimos cinco jogos – ddvdd

CURIOSIDADE – São cinco vitórias do Coritiba e dois empates desde a última vez que a Ponte venceu, em 2001.

PALPITE – Coritiba

ARBITRAGEM – Elmo Alves Resende Cunha (GO); Fabrício Vilarinho (GO), Cristhian Passos Sorence (GO)

CHAPECOENSE x SANTOS

Chapecoense – Problemas – Seijas (machucado), Osman (machucado), Douglas Grolli (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Jandrei, Apodi, Luiz Otávio, Fabrício Bruno e Reinaldo; Amaral e Moisés Ribeiro; Luís Antônio, Canteros e Arthur Kayke; Wellington Paulista. Técnico: Gílson Kleina

Últimos cinco jogos – eevvd

SANTOS – Problemas – Bruno Henrique (terceiro cartão) – Time provável (4-2-3-1) – Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Caju; Renato e Alisson; Copete, Lucas Lima e Arthur Gomes; Ricardo Oliveira. Técnico: Elano

Últimos cinco jogos – dvdve

CURIOSIDADE – Em Chapecó, uma vitória para cada lado e um empate.

PALPITE – Chapecoense

ARBITRAGEM – Jaílson Macedo Freitas (BA), Alessandro Rocha de Mattos (BA), Elicarlos de Oliveira (BA)


O que é possível melhorar na seleção
Comentários 4

PVC

O maior risco da seleção brasileira neste momento é a festa demasiada. Parece que tudo está bem, mas há ajustes importantes a fazer para chegar ao melhor momento na Copa do Mundo. O Brasil já é campeão mundial de amistosos. A ideia é ser campeão mundial na Rússia, em 2018.

O primeiro tempo contra o Japão foi bom. Nos primeiros dez minutos, o técnico bósnio Vahid Halihodzic avançou a marcação para dificultar a saída de bola da seleção. Mesmo assim, o jogo saía de pé em pé. Danilo para Thiago Silva, para Jémerson, para Casemiro, para Marcelo…

O Brasil também soube aproveitar a marcação avançada do Japão para jogar em velocidade às costas dos laterais Sakai e Nagatomo. Deu certo. Giuliano finalizou, Kawashima espalmou para escanteio. Num córner, saiu pênalti marcado pelo árbitro de vídeo. Aconteceu de fato. Neymar cobrou e fez 1 x 0.

Cinco minutos depois, velocidade no contra-ataque e pênalti sobre Gabriel Jesus. Neymar cobrou e perdeu.

Do escanteio que nasceu do pênalti perdido, Marcelo fez um golaço de pé direito.

Resolveu o jogo. Mas ainda houve tempo para uma jogada de posse de bola, depois de frear um contra-ataque puxado por Giuliano. Sete jogadores trocaram passes antes do passe de Danilo para o gol de Gabriel Jesus.

Até aqui tudo ótimo.

Mesmo que se perceba um ajuste a fazer. O 4-1-4-1 está virando 4-3-3, com o ataque distante do meio-de-campo em muitos momentos e a recomposição demorando a ocorrer por causa desta distância. Dá para melhorar.

Também chama a atenção outra vez Neymar tomar cartão amarelo, desta vez porque o árbitro de vídeo o viu disputando uma jogada mais ríspida com o lateral Sakai. Não precisava. Um lance assim em Copa do Mundo pode resultar num segundo cartão amarelo ou até num vermelho.

10/novembro/2017

BRASIL 3 x 1 JAPÃO

Local: Pierre Mauroy (Lille); Juiz: Benoite Bastien (França); Gols: Neymar (pênalti) 9, Marcelo 16, Gabriel Jesus 35 do 1o; Makino 18 do 2o; Cartão amarelo: Yoshida, Haraguchi, Neymar

BRASIL: 1. Alisson (6) (16. Cássio, intervalo (5,5)), 22. Danilo (6,5), 14. Thiago Silva (6), 4. Jémerson (6) e 12. Marcelo (7) (6. Alex Sandro 13 do 2o (6)); 5. Casemiro (6); 19. Willian (7) (24. Taison 25 do 2o (6)), 18. Giuliano (7) (8. Renato Augusto 35 do 2o (sem nota)), 17. Fernandinho (6,5) e 10. Neymar (6,5) (7. Douglas Costa 25 do 2o (6)); 9. Gabriel Jesus (6,5) (25. Diego Souza 13 do 2o (5,5)). Técnico: Tite

JAPÃO: 1. Kawashima (5), 19. Sakai (4,5), 22. Yoshida (4), 20. Makino (6) e 5. Nagatomo (5,5); 17. Hasebe (5,5) (10. Inui 23 do 2o (5)); 11. Kubo (4,5) (18. Asano, interval (5,5)), 2. Ideguchi (5), 16. Yamaguchi (5,5) e 8. Haraguchi (5) (14. Morioka 23 do 2o (5)); 15. Osako (4,5) (9. Sugimoto 35 do 2o (sem nota)). Técnico: Vahid Halihodzic


O time mais sincero do Brasil
Comentários 44

PVC

O São Paulo não jogou bem, finalizou cinco vezes contra o gol de Jandrei e voltou a ter contradição entre o alto índice de posse de bola com as poucas chances claras para marcar. Levou 2 x 0 da Chapecoense, reagiu depois de um lance discutido de Hernanes com Jandrei, que sobrou para Gilberto marcar — na opinião deste colunista, em condição legal, porque parece ter sido o próprio goleiro quem entregou a bola.

Depois, empatou o jogo com gol de Arboleda. Como aconteceu no ano passado, o São Paulo mandante contra a Chapecoense levou 2 x 0 e chegou ao empate depois.

À parte a dificuldade, o São Paulo mostrou mais uma vez ser o time mais sincero do Brasil. Depois de Rodrigo Caio dizer que pisou em Renan Ribeiro, o que retirou o cartão amarelo de Jô, na semifinal do Campeonato Paulista, agora foi a vez de Marcos Guilherme. O repórter André Cavalcanti pergunta: ''Foi pênalti seu no lance com o Apodi?'' Marcos Guilherme responde: ''Foi! Foi muito pênalti!''

Minutos depois, o mesmo repórter questiona o goleiro Sidão sobre o lance do pênalti e informa que Marcos Guilherme admitiu que foi pênalti, muito pênalti. Sidão responde, espantado: ''Ele falou isso?'' A resposta do repórter: ''Sim, ele falou.'' De novo a palavra com Sidão: ''Ah, então não vou nem falar nada. Ele estava na jogada, sabe o que aconteceu…''

Pode faltar futebol ao São Paulo. Mas sinceridade está sobrando.


Juíza manda Vasco publicar resultado de eleição sem a urna da discórdia
Comentários 12

PVC

A juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52a Vara Cível do Rio de Janeiro, deternminou que o Club de Regatas Vasco da Gama exiba o resultado da apuração da eleição de terça-feira, ''contendo o resultado final, constando a informação de que a urna 07 encontra-se sub-júdice e se for o caso promover a errata da ata, dando divulgação à mesma.''

 

 

 

 

 

 

Em síntese, Maria Cecília Pinto Gonçalves determina que seja publicado o resultado final da eleição e que se aguarde o que se fará com a urna 7, sub-júdice. O resultado sem a apuração dos 691 sócios discutidos que votaram separadamente na urna número 7 indica a chapa de Júlio Brant vencedora, com 1933 votos, contra 1693 do grupo de Eurico Miranda.

A juíza atende a pedido do ex-candidato Fernando Horta, que pede a exclusão de 691 sócios que ingressaram no Club de Regatas Vasco da Gama entre novembro e dezembro de 2015, em tempo de terem condição legal de votação. Historicamente, o Vasco arregimenta no máximo vinte sócios no período de um mês. Em dezembro do ano passado, perto do limite para novos associados terem direito a voto, 691 associados ingressaram no clube.

A decisão publicada ontem pela juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves tem o prazo máximo de 48 horas para ser aplicada.


Corinthians pode ser campeão contra o Fluminense
Comentários 25

PVC

A vitória contra o Atlético Paranaense combinada com a derrota do Santos para o Vasco permite marcar a data provável do título do Corinthians: quarta-feira, 15 de novembro.

Daqui a seis dias, no feriado, o Corinthians será campeão brasileiro pela sétima vez se vencer o Fluminense às 21h45, desde que Grêmio perca dois pontos nos jogos que disputará até lá.

O Santos visita a Chapecoense e o Bahia. O Grêmio recebe o Vitória e o São Paulo. Na quarta-feira, dia 15, Grêmio e São Paulo jogarão às 19h30, Bahia x Santos às 21h e Corinthians x Fluminense às 21h45.

Dependendo da combinação, o Corinthians entrará no segundo tempo precisando de um gol para confirmar o troféu com três rodadas de antecedência.

O Corinthians não jogou bem contra o Atlético Paranaense.  Sofreu no primeiro tempo que registrou violências e Walter defendeu pênalti de Nikão. Giovanni Augusto marcou no segundo tempo.

O Corinthians não foi suficientemente compacto nem contra-atacou com precisão. Mas venceu e, pela quarta vez em catorze partidas do returno, não sofreu gol.