PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Dívida do Palmeiras já supera R$ 500 milhões

PVC

30/12/2019 11h17

O Conselho de Orientação Fiscal (COF), do Palmeiras, conta que o total da dívida do clube está em R$ 538 milhões. Deste total, R$ 174 milhões (32%) são fruto da readequação do contrato com a Crefisa, depois de a Receita Federal ter determinado que os jogadores contratados pela patrocinadora não poderiam ser doados, mas emprestados.

É a pior situação financeira do Palmeiras desde a retomada das vitórias, em 2015. Em 30 de novembro, a dívida admitida na prestação de contas oficial ao COF era de R$ 511.896.000. Tanto na primeira cifra relatada por um membro do Conselho Fiscal, quanto no que consta no balancete, é indiscutível que a dívida já supera o meio bilhão de reais, mais do que os R$ 400 milhões descritos por este blog na sexta-feira (27).

Há um problema grave de fluxo de caixa. Mas se entende que o Palmeiras tem lastro e não chega a ser uma catástrofe a situação financeira atual, por causa da receita, projetada acima R$ 600 milhões. Mas não é confortável e há o diagnóstico de que houve nos últimos dois anos uma destruição grande, não apenas financeira, mas de imagem, com perda do profissionalismo até mesmo no sistema de sócio-torcedor, base do fortalecimento do clube nos últimos cinco anos.

Tudo isso tirou competitividade do Palmeiras no mercado de contratações. De totalmente pacificado politicamente, o Palmeiras voltou a ter correntes e a gestão atual utiliza de velhos compromissos com conselheiros do clube. Vale a lembrança de que a situação da dívida estava equacionada no final da gestão Paulo Nobre, que Maurício Galiotte se comprometeu a pagar o total dos empréstimos com o ex-presidente — quitou em agosto de 2018 –, mas voltou a se endividar e a deixar de aplicar práticas de profissionalismo.

A ideia era de que o clube seria sustentável inclusive sem o patrocínio da Crefisa. Hoje, parece não se sustentar até mesmo por causa da patrocinadora, responsável por um terço da dívida.

É provável que a retomada seja rápida. Mas o Palmeiras precisa recuperar seu olhar para as práticas mais modernas, em vez de voltar a ser refém de sua política.

P.S.: O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo alerta que há uma distinção entre dívida e passivo. O Palmeiras tem um passivo atualmente superior a R$ 500 milhões. Mas isto inclui todas as obrigações. E há a receita acima de R$ 600 milhões. No ano passado, o Palmeiras teve um resultado de R$ 84 milhões e neste ano de R$ 13 milhões. Vivemos e aprendemos. Como o texto diz, a situação não é de catástrofe, porque o clube tem receita acima de R$ 600 milhões. Mas é de atenção. 

 

Sobre o Autor

Paulo Vinicius Coelho é jornalista esportivo, blogueiro do UOL, colunista da Folha de S. Paulo. Cobriu seis Copas do Mundo (1994, 1998, 2006, 2010, 2014 e 2018) e oito finais de Champions League, in loco. Nasceu em São Paulo, vive no Rio de Janeiro e seu objetivo é olhar para o mundo. Falar de futebol de todos os ângulos: tático, técnico, físico, econômico e político, em qualquer canto do planeta. Especializado em futebol do mundo.

Sobre o Blog

O blog tem por objetivo analisar o futebol brasileiro e internacional em todos os seus aspectos (técnico, tático, político e econômico), sempre na tentativa de oferecer uma visão moderna e notícias em primeira mão.

Blog do PVC